Quase quatro em cada dez brasileiros estão inadimplentes no país. São 55,6 milhões de consumidores adultos impedidos de obter crédito, segundo levantamento da Serasa Experian de 31 março deste ano. Somadas, as dívidas chegam a R$ 235 bilhões.
 
Em 31 de dezembro, eram 54,1 milhões de pessoas na mesma situação, as quais deviam, juntas, R$ 218,6 bilhões.
 
Os dados mostram que 1,545 milhão de pessoas ingressou no cadastro de inadimplentes em três meses. Ou, por dia, 17.171 consumidores não conseguiram pagar dívidas bancárias (financiamento de carros, imóveis etc.) ou contas de luz, água, telefonia, além das feitas no varejo.
 
É o segundo maior patamar de inadimplência registrado pela Serasa desde junho de 2012, quando a empresa iniciou essa série histórica. Em 31 de agosto, eram 57 milhões de pessoas no cadastro.
 
Nessa ocasião, dois bancos haviam fornecido novos dados de devedores à Serasa, o que pode ter contribuído para elevar o patamar.
 
Após esse período, a empresa passou a mensurar os dados de inadimplência no último dia de cada trimestre e evitar o impacto de efeitos pontuais no cadastro.
 
RELAÇÃO
 
Com a alta do desemprego e dos juros, economistas e especialistas no setor de crédito acreditam que a tendência é de esse número aumentar ainda mais neste ano.
 
"O aumento da taxa de juros encarece as dívidas e dificulta o pagamento. Esse fator aliado à inflação, que corrói a renda do trabalhador, tem impacto na inadimplência", diz Luiz Rabi, economista da Serasa Experian.
 
A cada ponto percentual que o desemprego sobe, a inadimplência aumenta quase na mesma proporção –sobe 0,9 ponto percentual, segundo análise do economista. Para chegar a essa relação, ele comparou as taxas de desemprego (IBGE) e as de inadimplência bancária (do BC) trimestrais desde 2005.
 
"Como a tendência é de o desemprego continuar subindo no ano, a inadimplência deve superar o recorde do ano passado", afirma Rabi.
 
Em dezembro, o desemprego medido pela pesquisa mensal de emprego e desemprego do IBGE foi de 4,3%. Em março deste ano, 6,2%. Já a taxa básica de juros (Selic) passou de 11,75% ao ano em 3 de dezembro para 12,75% em 5 março deste ano.
 
"A massa salarial vai ser inferior à de 2014, e a tendência é a de juros continuarem subindo, o que contribui para aumentar o endividamento", diz o economista Fábio Silveira, sócio e diretor da consultoria GO Associados.
 
"A situação é preocupante para o consumidor e para as empresas, que deixam de receber pelo produto vendido ou serviço prestado. O país sofre os efeitos dessa queda do consumo interno."
 
Em média são quatro dívidas por consumidor. Juntas, somam R$ 4.223,17.
 
 
DÍVIDAS SÃO NEGOCIADAS POR 60 DIAS
 
Na média, as empresas negociam o pagamento das dívidas por 60 dias. Encerrado o prazo, entram em contato com a Serasa Experian pedindo que ela envie aviso (carta) ao consumidor dando dez dias para ele quitar a dívida. Se ele não fizer o pagamento, no 11º dia seu nome entra na lista suja.
 
INFORMAÇÕES COMERCIAIS
 
Reduza o risco de inadimplência em seus negócios.
A Autofax tem serviço de Informações Comerciais que podem auxiliar na análise de crédito.
 
Saiba mais AQUI
 
Fonte: www1.folha.com.br / Claudia Rolli, de São Paulo